Todos Juntos

Todos Juntos

O ano de 2020 terá sido porventura, para muitos, um ano de análise e reestructuração mas também de união.
Foram varias as iniciativas das quais a Evil Angels participou com o objectivo de ajudar a reforçar a coesão no meio audiovisual e também assim poder ajudar aqueles que dele fazem parte directa e indiretamente.


MANIFESTO “QUEREMOS UM DIA VOLTAR”APSTE – Serviços Técnicos para Eventos

LISBOA | 11 Agosto 2020

Mais de um milhar de técnicos nacionais de espectáculos estiveram reunidos ontem, terça-feira, 11 de Agosto, no Terreiro do Paço, em Lisboa, naquele que foi um protesto organizado pela Associação Portuguesa de Serviços Técnicos para Eventos (APSTE). No enorme terreiro frente ao Tejo foram colocadas centenas de flight cases para servirem de assento aos técnicos, muitos deles sem trabalho há seis meses, que ali se juntaram em massa e fizeram notar o seu descontentamento usando os seus recursos técnicos. Como podes ver no vídeo em baixo, nas fachadas dos edifícios circundantes foi reproduzido um colorido vídeo mapping composto por fotografias dos espaços vazios, armazéns cheios, empresas vazias e várias frases que reflectem o estado de espírito do sector. Em declarações à ARTE SONORA, o presidente da APSTE, António Martins, explicou que a manifestação “decorreu de forma ordeira, como era esperado“, reunindo “mais de 1000 profissionais», que serão recebidos amanhã “pelo Ministério da Economia e por alguns grupos parlamentares, pelo menos do Partido Comunista Português e do Bloco de Esquerda“. A indústria dos eventos tem sido particularmente devastada pela pandemia, com o cancelamento total de todos os espectáculos marcados desde Março. Formada por mais de uma centena de empresas responsáveis pelo serviço técnico de eventos em Portugal — responsáveis por uma facturação superior a 100 milhões de euros no ano passado — a APSTE pretende contribuir para a definição e regulamentação do sector e apoiar o desenvolvimento destas empresas, que representam mais de 1000 postos de trabalho directos e cerca de 3000 indirectos, entre os quais se encontram técnicos de som, iluminação, vídeo, riggers, stage hands, entre outros profissionais. in LOUD MAGAZINE

PORTO | 08 Setembro 2020

“A Associação Portuguesa de Serviços Técnicos para Eventos (APSTE) organizou na passada terça-feira, dia 8 de setembro, entre as 20h00 e as 22h00, uma manifestação “pacífica e original” com o intuito de “voltar a chamar a atenção do Governo para a necessidade de criar medidas especificas que garantam a sobrevivência de centenas de empresas que, com a falta de trabalho trazida pela pandemia de Covid-19, estão na iminência de fechar portas”.
No local foram colocadas “várias instalações compostas por flightcases criando assim uma mancha visual impactante e ocupando a faixa central da Avenida dos Aliados. O vídeomapping reproduzido nas fachadas do edifício da Câmara Municipal do Porto foi composto por um conjunto de imagens, vídeos e frases que refletem o estado de espírito do setor e demonstram o apagão económico que o mesmo está a sentir”, refere a associação.
Esta iniciativa é a segunda do género organizada pela APSTE em menos de um mês. Depois de, no passado dia 11 de agosto, ter iluminado o Terreiro do Paço, em Lisboa, com imagens e frases de protesto, a Associação decidiu agora levar esta iniciativa original até mais próximo das suas muitas empresas associadas que estão sediadas no Norte do país. (…)” In Publituris

MANIFESTAÇÃO PELA CULTURA
APEFE – Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos em conjunto com a APSTE – Serviços Técnicos para Eventos

LISBOA | 21 Novembro 2020

“O Campo Pequeno, em Lisboa, foi este sábado palco da “Manifestação pela Cultura”, promovida pela Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE) e pela Associação Portuguesa de Serviços Técnicos para Eventos (APSTE). A manifestação teve início às 10h30 dentro do Campo Pequeno, como se de um espetáculo se tratasse. De acordo com a APEFE, “cumprindo as regras impostas pela Direção-Geral da Saúde”, e com a capacidade da sala lisboeta limitada a 2 mil pessoas.

Mariza, Carlão, Boss AC, Rita Redshoes, Ana Bacalhau (Deolinda), Agir, Hélio Morais (Linda Martini) Kalú (Xutos & Pontapés), Toni Carreira, Fernando Ribeiro (Moonspell), Marisa Liz (Amor Electro), Samuel Úria e Áurea foram alguns dos artistas que marcaram presença.

Na quarta-feira, a associação revelou o “Manifesto pela Sobrevivência da Cultura em Portugal”, texto assinado pela direção da APEFE – da qual fazem parte os promotores de espetáculos Sandra Faria (Força de Produção), Álvaro Covões (Everthing Is New), Paulo Reis (UAU), Luís Pardelha (Produtores Associados) e Ana Rangel (Plano 6) – no qual se afirma que “a cultura em Portugal está a colapsar” e que é chegada a hora de “os decisores políticos dizerem o que querem para Portugal no que respeita à Cultura”.

“É chegado o momento de nos dizerem, a todos nós, os 130 mil trabalhadores deste país, se somos merecedores de um tratamento e de um olhar em detalhe para o nosso setor”, escreve-se. Lembrando que o mercado dos eventos culturais registou, entre janeiro e outubro deste ano e devido à pandemia de covid-19, uma quebra de 87% face a 2019, a APEFE estima que, com as medidas das últimas semanas ou um novo confinamento, esta quebra possa chegar aos 90%. ” In BLITZ

Related Posts

Leave A Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *